sexta-feira, 28 de setembro de 2007

Los adjetivos

Os adjetivos


Classes de adjetivos

Tradicionalmente, distinguimos duas classes de adjetivos: calificativos e determinativos, e entre os determinativos estão incluídas as seguintes subclasses: demostrativos, posesivos, numerales, indefinidos e relativos.

A diferença entre ambos se estabelecia nas gramáticas tradicionais a partir de critérios de significado: os calificativos indicam cualidad e os determinativos determinan. No entanto, essa distinção confundia critérios de significação e critérios de função, e não está muito claro que os calificativos não determinem e que os determinativos não qualifiquem. Portanto, é melhor fazer a distinção mediante critérios de funcionamento. Vejamos estes exemplos de grupos nominais com dois adjetivos: Sus hermosos labios rojos, La radiante luna llena; neles seria possível trocar a ordem de aparição dos adjetivos sem que o resultado perturbasse a estrutura gramatical; todavia, como veremos mais adiante, seriam produzidas algumas mudanças de aspectos no que se refere ao significado: Sus rojos labios hermosos, La llena luna radiante; Sus hermosos (y) rojos labios, La llena (y) radiante luna; Sus labios hermosos (y) rojos, La luna llena (y) radiante; Sus labios rojos (y) hermosos, La luna radiante (y) llena etc. Muitos adjetivos, como os dos exemplos, admitem esta liberdade de colocação com respeito ao sustantivo.

No entanto, há outros adjetivos cujo funcionamento dentro do grupo não é tão flexível. Podemos, por exemplo, dizer Aquellos labios hermosos e Aquellos hermosos labios, mas não Hermosos aquellos labios; Esta luna radiante e Esta radiante luna, mas não Radiante esta luna; Dos amigos buenos e Dos buenos amigos, mas não Buenos dos amigos.

Podemos deduzir que realmente há dois tipos de adjetivos em relação à sua capacidade de organização entre si e com respeito ao sustantivo que acompanham:

  • os que admitem qualquer posição, que correspondem aos tradicionalmente chamados calificativos: rojos, hermosos, radiante, llena, buenos etc.

  • os que, na presença de outro adjetivo dentro do mesmo grupo nominal, devem aparecer antes e nunca imediatamente depois de outro adjetivo; estes coincidem com os tradicionalmente chamados determinativos: aquellos, esta, dos etc.
  • El artículo

    O artigo

    Usos do artículo "lo"

    O artículo lo nunca é usado com nomes, no entanto serve para substantivar palavras ou grupos de palavras: Lo difícil es no enfadarse nunca, Sentí mucho lo de tu padre, No entiendo lo que haces etc.

    Usa-se lo nos seguintes casos e com os valores indicados:

    Lo + adjetivo ou participio serve para:

    substantivar o adjetivo ou o participio e a ele atribuir um valor abstrato: Lo difícil lo deja para los demás, Esto no es lo pactado, Hay que ver lo caro que está todo etc.;

    referir-se a uma série de coisas que têm as mesmas qualidades: A mí me gusta lo blanco (las cosas blancas), viva lo blanco, muera lo negro (las cosas negras);

    referir-se a uma parte de algo: tienes muy enrojecido lo blanco (la parte blanca) del ojo.

    Lo + adjetivo ou adverbio + que é uma construção intensificadora: Todos comentaron lo guapa que estaba la novia y lo bien vestida que iba.

    Lo de + artículo ou posesivo + nombre equivale a la circunstancia de: Hay que arreglar lo del gas, ¿No sabes lo de Araceli? Está embarazada.

    Lo de + infinitivo significa el hecho de: Lo de quedarme en casa no me seduce mucho.

    Lo que equivale a um demonstrativo neutro: Lo que dices (eso que dices...) no tiene sentido, Hago lo que (aquello que ...) me da la gana etc.

    Reglas ortográficas

    Regras Ortográficas

    Em contraste com o português:

    — O espanhol tem só um sinal de acentuação: [´], enquanto o português tem também [^], [`] e [~]. Por outro lado, em espanhol o sinal serve exclusivamente para indicar a sílaba com acento de intensidade (sílaba tônica), enquanto em português alguns sinais indicam o timbre da vogal tônica ou sua nasalidade; por isso nenhuma palavra espanhola pode ter mais de uma vogal acentuada.

    Já em português, algumas palavras apresentam dois acentos ortográficos ou ainda um acento numa sílaba que não é a sílaba tônica: ímã, boêmia. Não devem ser confundidos com acentos outros sinais que se escrevem em espanhol.

    O ñ, por exemplo, é o grafema que representa o som palatal nasal sonoro que em português é representado com nh e em francês com gn; ou ainda o ü que aparece entre g e e ou i para indicar que este u é pronunciado: cigüeña (diferente de trigueña, onde o u não é pronunciado e serve somente para indicar que o g deve ser pronunciado como gutural fricativo sonoro, como gato em português).

    — O tratamento dos hiatos em espanhol segue regras diferentes do português: río / rio. Para exemplificar, podemos dizer que em espanhol daríamos um presente de casamento à secretaria, não à secretaría; enquanto em português daríamos o presente à secretária e não à secretaria.

    — Há algumas palavras que em espanhol têm o acento de intensidade em uma sílaba e em português em outra:

    Espanhol

    acedemia

    acróbata

    Adela


    aerolito


    almina


    alcohol


    alergia


    al
    guien

    afonos


    alquimia


    amago


    amalgama


    anatema

    anécdota


    anemia


    anestesia


    anodino


    ariete


    aristocracia


    ariscrata


    ár
    nica

    arquetipo


    asepsia


    asfixia


    astenia


    atmósfera

    atrofia

    bigamia

    bohemia

    bucrata

    bala

    canguro

    cabal

    cartomancia

    cerebro

    clope

    cón
    dor

    cóc
    tel

    crá
    ter

    crisantemo

    cha
    sis

    chó
    fer

    Dios

    democracia

    decrata

    difteria

    diplomacia

    dislexia

    dispar

    dispepsia

    edén


    Edipo


    é
    lite

    elogio


    enclisis


    epidemia


    error


    Estefanía


    estereotipo


    Etioa


    et
    nia

    euforia


    fagocito


    filántropo


    fisioterapia


    Florida


    fo
    bia

    formica


    fotofobia


    gaucho


    hemofilia


    hemorragia


    roe

    hidrofobia


    hidrógeno


    hidroterapia


    hipertrofia


    histeria


    homeópata


    idiosincrasia


    imán


    imcil


    impar


    lacrigeno


    leucocito


    li
    la

    mite

    liturgia


    Lucia


    Lucifer


    ma
    gia

    Mai
    te

    maquinaria


    mediocre

    metalurgia


    me
    tro

    micrófono


    miope


    misántropo


    misil


    monogamia


    neuralgia


    neurastenia


    neutrón


    nivel


    nostalgia


    Oceaa


    omega


    ortopedia


    ó
    valo

    ogeno


    pál
    pito

    pantano


    palisis


    pasito


    Pegaso


    penalti


    penitenciaa


    pensil


    Pericles


    perineo


    periplo


    peritoneo


    pero


    loro

    vot

    plé
    tora

    plutocracia


    polia


    pocromo


    poglota


    polisemia


    por
    no

    proclisis


    profilaxia


    proyectil


    protón


    prototipo


    psipata


    dico

    periferia


    quiromancia


    < reina

    ra
    llye

    ratón


    gimen

    reptil


    reverbero


    ricino


    brica

    rui
    do

    Sanica


    sarampión


    siderurgia


    sín
    toma

    taquicardia


    tauromaquia


    tefono


    lex

    terapia


    textil


    trá
    quea

    trolebús


    tulipán


    tuétano


    uremia


    uter


    vaina


    vitriolo

    xenofobia


    zenit (ou cenit)
    Português

    academia

    acrobata

    Á
    dela

    aelito

    albumina

    ál
    cool

    alergia

    alguém

    alofones

    alquimia

    â
    mago

    amálgama

    atema

    anedota

    anemia

    anestesia

    adino

    aete

    aristocracia

    aristocrata

    arnica

    arquétipo

    assepsia

    asfixia

    astenia

    atmosfera

    atrofia

    bigamia

    boêmia

    burocrata

    cabala

    canguru

    canibal

    cartomancia

    rebro

    ciclope

    condor

    coquetel

    cratera

    crisântemo

    chassi

    chofer

    Deus

    democracia

    democrata

    difteria

    diplomacia

    dislexia

    dís
    par

    dispepsia

    é
    den

    É
    dipo

    elite

    elogio

    ên
    clise

    epidemia

    e
    rro

    Estenia

    estereótipo

    Etiópia

    etnia

    euforia

    facito

    filantropo

    fisioterapia

    Fló
    rida

    fobia

    fór
    mica

    fotofobia

    gaúcho

    hemofilia

    hemorragia

    herói

    hidrofobia

    hidronio

    hidroterapia

    hipertrofia

    histea

    homeopata

    idiossincrasia

    í


    imbecil

    ím
    par

    lacrimoneo

    leucito

    li

    limite

    liturgia

    cia

    cifer

    magia

    Mai

    maquinaria

    meocre

    metalurgia

    metrô

    microfone

    ope

    misantropo

    ssil

    monogamia

    neuralgia

    neurastenia

    nêu
    tron

    vel

    nostalgia

    Oceânia

    ô
    mega

    ortopedia

    ovalo

    oxinio

    palpite

    pân
    tano

    paralisia

    parasita

    gaso

    nalti

    penitenciária

    pên
    sil

    ricles

    peneo

    riplo

    perinio

    penio

    piloro

    pi

    pletora

    plutocracia

    pocia

    policromo

    poliglota

    polissemia

    por

    pró
    clise

    profilaxia

    protil

    pró
    ton

    protipo

    psicopata

    pudico

    periferia

    quiromancia

    rainha

    rali

    ra
    to

    regime

    rép
    til

    revérbero

    cino

    rubrica

    ruído

    Salonica

    sarampo

    siderurgia

    sintoma

    taquicardia

    tauromaquia

    telefone

    telex

    terapia

    têx
    til

    traquéia

    tró
    leibus

    tulipa

    tutano

    uremia

    ureter

    bainha

    vitríolo

    xenofobia

    nite

    I. El alfabeto español

    O alfabeto espanhol

    Maiúscula

    Minúscula

    Nome

    Transcreve

    A

    a

    a

    ...o fonema vocálico /a/ com ou sem acento e em qualquer lugar do grupo fônico: ama, pala.

    B

    b

    be

    ...o fonema consonantal bilabial oclusivo /b/ ou fricativo //: baba, caber, objeto.

    C

    c

    ce

    ...acompanhado de e, i o início ou no meio da palavra, o fonema consonantal interdental fricativo // parecido ao do inglês They: cena, hacen, ciego, vacío (na Andaluzia, Canárias e América hispânica a pronúncia deste fonema neste contexto se confunde com a do fonema alveolar fricativo surdo /s/ como o ç do português em caça).
    ...acompanhado de a, o, u, formando sílaba ou começo de sílaba no início ou no meio da palavra, representa o fonema consonantal velar surdo /k/: cana, barca, cono, saco, cuenca, escuela; também quando é a última letra da sílaba, no meio ou no final da palavra: acto, lector, dictado, octógono, estructura, tictac; e também quando precede l ou r seguidos de qualquer vogal, formando os três fonemas sílaba ou começo de sílaba, no início ou no meio da palavra: clamor, ancla, clero, teclear, clima, inclinar, cloro, ciclo, clueca, incluso, cráter, ácrata, crecido, incrépalo, crisol, acrisolar, cronómetro, lucro, cruzada, incrustar.

    Ch

    ch

    che

    ...o fonema consonantal palatal africado surdo /c/, como o do italiano em bacio ou o do português do Brasil em tchau, sempre aparece no início da sílaba: chino, lecho. Observe-se que mesmo sendo duas letras diferentes representam um único fonema.

    D

    d

    de

    ...o fonema dental oclusivo /d/ ou fricativo // sonoro: déme, dedo, salud.

    E

    e

    e

    ...o fonema vocálico médio anterior /e/: pesa, pesado, rejón, estable.

    F

    f

    efe

    ...o fonema consonantal labiodental fricativo surdo /f/: fama, enfocar.

    G

    g

    ge

    ...acompanhado de e, i, o fonema velar fricativo surdo /x/, que tem certa semelhança na pronúncia com a do h em inglês em he, honey, porém, em espanhol é mais tenso e geralmente não é aspirado: genial, agitar;
    ...o fonema consonantal velar sonoro oclusivo /g/ ou fricativo // agrupado com u (gu-) acompanhado de e, i, formando com elas sílaba ou começo de sílaba, no início ou no meio da palavra: guerrear, aguerrido, guitarra, aguinaldo.
    ...acompanhado de a, o, u, no início ou no meio da palavra; acompanhado de l ou r seguidos de qualquer vogal, com as que formam sílaba ou começo de sílaba, no início ou no meio da palavra: gladiolo, regla, gleba, regleta, glicinia, anglicanismo, glotonería, anglófilo, glucosa, aglutinar, gravedad, agravar, gresca, agregado, grito, agriado, grotesco, agrónomo, grumete, agrupado; também quando é a última letra da sílaba, normalmente no meio da palavra, antes de sílaba que comece por m ou n, raramente antecede outra consoante ou está no meio da palavra: agnóstico, digno, magno.

    H

    h

    hache

    Não representa nenhum fonema no espanhol geral de hoje. Antigamente transcrevia, e transcreve ainda hoje na fala vulgar de algumas regiões dialetais, um fonema cuja articulação consiste numa aspiração faríngea surda ou sonora.

    I

    i

    i

    ...o fonema vocálico alto anterior /i/: viva, visto.

    J

    j

    jota

    ...o fonema consonantal velar fricativo surdo /x/ (ver g) acompanhado de qualquer vogal: jaspe, hoja, joya, ojo, junio, ajusticiado; também quando é a última letra da sílaba no final de palavra em poucas ocasi es: carcaj, boj, reloj.

    K

    k

    ka

    ...o fonema consonantal velar fricativo surdo /k/. Este grafema se usa em poucas palavras que procedem do grego ou do alemão: kilogramo, kilociclo, kilómetro, kilovatio, kantiano, krausista.

    L

    l

    ele

    ....o fonema consonantal alveolar lateral sonoro /l/: lodo, cálido, calzón, alto, respaldo, toldo.

    Ll

    ll

    elle

    ...o fonema palatal lateral sonoro //, no início da sílaba acompanhado de vogal: llave, calle;
    ...em muitos lugares da geografia hispânica, o fonema consonantal linguopalatal central sonoro / /, ou seja, nessas zonas ambos os fonemas se unificaram, o que não significa que sua ortografia mude; não se escreve yave* e sim llave, mesmo que se pronuncie com / /.
    ...no espanhol rioplatense também se unificaram ambos os fonemas. (ver y)

    M

    m

    eme

    ...o fonema consonantal bilabial nasal sonoro /m/: marzo, amante;
    ...e também o alofone do fonema consonantal nasal /n/ quando, no meio da palavra, antecede /p/ ou /b/ sempre que esteja transcrito com b; ou seja, escreve-se ambos, ámbar, mas invitar. Quando se trata da última letra da palavra, escrevem-se com m latinismos como maremágnum, ultimátum, álbum; no entanto, a pronúncia espanhola não admite [m] final antecedendo pausa, e esta é substituída, salvo raras exceções, pelo som de /n/.

    N

    n

    ene

    ...o fonema consonantal alveolar nasal sonoro /n/, qualquer que seja sua articulação, exceto nos casos já comentados no M: nene, encima, cuenta, banda, anclar, manga, sangrar, angelical, informar, ancho, conllevar...

    Ñ

    ñ

    eñe

    ...o fonema consonantal palatal nasal sonoro //: niño.

    O

    o

    o

    ...o fonema vocálico médio posterior /o/: olor, corro.

    P

    p

    pe

    ...o fonema consonantal bilabial oclusivo surdo /p/: papa, pipa. Para os casos em que aparece agrupado com s, n, t, é necessário dizer que o Diccionario de la Academia de 1956 simplificou esses grupos consonantais eliminando da ortografia o p, que só aparece em pronúncia culta, ou seja, é possível escrever psicología ou sicología, pneuma ou neuma, porém o próprio dicionário dá a entender em artigo separado que prefere as formas tradicionais com p.

    Q

    q

    cu

    ...acompanhado de e ou i, formando sílaba ou começo de sílaba, o fonema velar surdo /k/, sempre agrupado com u (qu), porque esta letra nunca se usa isolada em espanhol: quitar, Paquito, querer, pequeño.

    R

    r

    ere o erre

    ...em posição intervocálica dentro da palavra, como começo de sílaba,
    qualquer que seja a vogal que a antecede ou a que sucede, o fonema consonantal alveolar vibrante simples /r/: parar, perol, poros. Também depois de uma consoante labial, dental ou velar e depois da labiodental f, formando com ela sílaba no início ou no meio da palavra, depois de vogal ou consoante: brisa, pronto, dramático, trotar, gritar, cromo, frutos; cabra, lepra, pudre, atrasado, ogro, sacro, cifra; hombre, comprado, saldrán, control, ingrata, sepulcral, enfrentar. E também quando é a última letra da sílaba no meio ou no final da palavra: árbol, arpón, argolla, parca, armar, dolor.
    ...no início da palavra antes de vogal ou em começo de sílaba interior de palavra depois da última letra da sílaba (com b, l, n, s), o fonema consonantal, alveolar vibrante múltiplo sonoro //: rota, ratón, retoño, subrayado, alrededor, honra, desratizar. Para representar este mesmo fonema // no interior da palavra, é preciso escrever a letra rr: berro, barra, burro.

    S

    s

    ese

    ...o fonema consonantal alveolar fricativo /s/: sala, sola, casa, como o do português em sala, professor.

    T

    t

    te

    ...o fonema consonantal dental oclusivo surdo /t/: tutear, atizar.

    U

    u

    u

    ...o fonema alto posterior /u/: mudo, turrón, lujo, turno, hueso, cauce. Quando aparece entre a letra g e a letra e ou i, pertencentes à mesma sílaba (güe, güi), ou seja, quando transcreve dois fonemas /g/ e /u/, e não um, como no caso de gu em guerra, guía, usa-se o trema (ü) para indicar que os dois fonemas devem ser pronunciados: agüero, lingüista frente a liguero (observe também a diferença com ligero); güito frente a guita.

    V

    v

    uve

    ...o fonema consonantal bilabial sonoro /b/ ( ver B): ven, invierno.

    W

    w

    uve doble

    ...em pouquíssimas palavras, especialmente em nomes próprios estrangeiros, o fonema /w/: Wamba, Waterloo, wolframio (também volframio). É uma letra que não pertence ao alfabeto latino e de escasso uso em espanhol.

    X

    x

    equis

    ...um grupo de dois fonemas /ks/. É a única letra do alfabeto que tem esta característica. Quando aparece em posição intervocálica, o primeiro fonema é a última letra da sílaba, e o segundo, início da sílaba seguinte: sexo, axioma. Quando o x aparece imediatamente antes de uma consoante, os dois fonemas de /ks/ pertencem a uma mesma sílaba: extremo, expediduría. Ocorre o mesmo quando /ks/ está no final da palavra: Félix, fénix.

    Y

    y

    i griega

    ...o fonema vocálico /i/ na conjunção y: Pedro y Rafael.
    ...o /i/ semivocálico final das palavras com acento de intensidade, sejam palavras de uma só sílaba ou agudas, terminadas nos ditongos /ái/, /éi/, /ói/ sem ser a última letra da sílaba: hay, guirigay, ley, virrey, doy.
    ...o fonema consonantal palatal sonoro / /, parecido ao do inglês em gentleman, ou o italiano de gentile: yacer, yegua, yo, yuca, ayer, cónyuge...
    ...no espanhol rio-platense um som fricativo palatal central sonoro (em alguns falantes surdo) vibrante [], parecido ao do português em janeiro (ou em chato no caso da variante surda).

    Z

    z

    zeda o zeta

    ...antes das vogais a, o, u (e também com e, i, porém em poucas ocasiões) formando sílaba ou começo de sílaba com elas, tanto em posição inicial como em posição interior, o fonema consonantal interdental fricativo / /: zorza, zoo, zurdo, cazo, gozar, azules, zéjel, enzima. Também quando é a última letra de sílaba final ou interior de palavra, qualquer que seja a vogal que a antecede: paz, nazca, pez, palidezco, perdiz, izquierdo. Como já foi comentado, na maior parte da Andaluzia, nas Ilhas Canárias e na América do Sul esse fonema se confunde com /s/ na pronúncia: casa = caza, som semelhante ao português caça.

    quinta-feira, 13 de setembro de 2007

    HABER e SER

    Na língua espanhola, os tempos compostos são formados com os verbos auxiliares HABER e SER mais o particípio do verbo a ser conjugado. Senão vejamos:

    he cantado, hube partido, haya cantado, habré amado, haya partido, hubiera temido

    Yo era, el fué, vosotros fuistes, yo he sido, ellos hubieron sido, nosotros hubimos sido, nosotros seamos, vosotros seais, vosotros haiais sido, el seria, sean ellos.

    Alfabeto

    Das letras que compõem o alfabeto da língua falada na Espanha e nos países por ela colonizados, nenhuma é mais acarinhada que a "ñ" . Substituto fonético para o nosso "nh", a "ñ" é a letra mais romântica e companheira do povo hispânico.

    "LA Ñ DE SUS señorias

    Dicen que fue pôr la eñe

    aunque les parezca extraño

    pôr lo que los senadores

    re-votaron este año:

    Que se la llevan, señores,

    y nos dejan sin escaño!

    Y con pies, manos y maña

    - Lo consigue quien se empeñe

    re-votaron pôr la eñe

    tan precisa para España."

    A 'LL" que corresponde ao nosso sonoríssimo "lh" está presente no início (llama, lluvia) e no meio (calle, estrellas) de um sem número de vocábulos em espanhol. Em que pesem as pequenas variantes sonoras da "LL" pela Espanha e América espanhola seu uso é praticamente uniforme, exceção feita somente a região da capital da Argentina , onde a 'LL" assume o som correspondente ao "J" da língua portuguesa.

    Gerúndio

    O gerúndio espanhol tem duas formas: simples (mirando), que indica uma ação inacabada, e a forma composta (habiendo mirado), que indica uma ação acabada. O seu uso marca um aspecto de durabilidade da ação e vai sempre acompanhado de pronomes enclíticos.

    O gerúndio pode funcionar como advérbio, adjetivo, explicativo do sujeito e integrante do objeto direto.

    Exemplos:

    Vino corriendo

    Estando en el teatro miró su amiga

    El esta soluionando el problema

    Una casa ardiendo!

    Expressoes

    Hablar por los codos > falar pelos cotovelos

    Hablar sin ambages > falar sem rodeios

    Que lata! > chatice

    Tomar el pelo a uno > zombar de alguém

    Ser mendrugo > ser pão duro

    Freir espárragos > plantar batatas

    Tener enchufe > ter pistolão

    Costar un ojo de la cara > custar os olhos da cara

    Por ahora > por enquanto Mira,

    salado > veja engraçadinho

    Tramposo > embusteiro

    Por si acaso > por via das dúvidas

    Dar uno de espaldas > cair de costas

    Hablar en broma > falar de brincadeira

    Morderse los dedos > arrepender-se

    Acentuacao

    Na língua Espanhola as palavras são acentuadas segundo o seguinte critério: a) AGUDAS: Possuem o acento na última sílaba, quando termina. Ex: elección, jardin,/das em N, S ou vogal acercó b) LLANAS: têm acento na penúltima sílaba e são acentuadas somente quando terminadas em consoante que não seja N ou S. Ex: mármol, ángel c) ESDRUJÚLAS: todas são acentuadas na antepenúltima sílaba. Ex: trémulo, huérfano, árbales d) SOBREESDRUJULAS: São todas acentuadas e o acento aparece em qualquer sílaba anterior a antepenúlima. Ex: invítaseme, compromítaseme DIPTONGO - Fusão de duas vogais Ex: sienta, reinar, ruerta TRITONGO - Quando aparecem três vogais na mesma sílaba. Ex: Paraguai TABELA DE ACENTOS

    C/ ACENTO S/ ACENTO

    ÉL - PRONOME PESSOAL EL-ARTIGO

    TÚ - PRONOME PESSOAL TU-POSESSIVO

    MÍ - PRONOME PESSOAL MI POSSESSIVO- E NOTA MUSICAL

    MÁS-ADVÉRBIO MAS-CONJUNTO

    SÍ-PRONOME E ADVERBIO SI- " E NOTA MUSICAL

    DÉ-VERBO DE-PREPOSIÇÃO

    SÉ-PESSOA VERBAL SE-PRONOME PESSOAL REFLEXIVO

    TÉ-NOME DE PLANTA TE-PRONOME PESSOAL REFLEXIVO

    terça-feira, 11 de setembro de 2007

    Frases Uteis

    Para quem vai viajar para à Espanha ou qualquer outro país de fala castelhana e não tem o domínio da língua, é bom saber alguma coisa para realizar um primeiro contato.

    Abaixo algumas frases úteis:

    Camarero esta libre esta mesa?

    Señor, quiere ponerme gasolina

    Qué pelicula ponen hoy?

    Puede usted darme la hora?

    Cuanto cuesta?

    Cuanto vale?

    Te felicito!

    Cómo esta usted?

    Hola que tal?

    Hasta pronto!

    Hasta la vista!

    Saludos!

    Que te vaya bien!

    Gracias.

    De nada.Tu lo mereces.

    Con permiso?

    Lo siento.

    Mucho gusto.

    segunda-feira, 10 de setembro de 2007

    Verbos

    Como em qualquer língua indo-européia, os verbos indicam ação ou estado que atribuímos ao sujeito.Quando o verbo indica ação o chamamos de predicativo: Os predicativos se dividem em:

    transitivos - ex - El viejo hizo las compras

    intransitivo - ex - las niñas juegan pôr la calle

    reflexivo - ex - Yo me peino reciproco - ex - Eduardo y Fernando se miran.

    impessoal - ex - Suena la campanilla

    defectivo - ex - soler

    Quando o verbo indica estado o chamamos de verbo copulativo.

    São os verbos "ser"e "estar"

    Para o estudo dos verbos devemos considerar:

    voz

    modo

    tempo

    número

    pessoa a

    specto

    Conjugação

    Os verbos de dividem em três grupos conforme a terminação dos seus infinitivos :

    1 - AR

    2 - ER

    3 - IR

    Sobrenome - apellido

    Algumas informações sobre nome e sobrenome:
    • Na Espanha não é costume incluir o sobrenome de um dos cônjuges ao nome do outro. Ou seja, o marido e a esposa seguem com o nome e sobrenome de solteiros ao se casarem. Ao se referirem ao casal, podem ser chamados de "Señores de (sobrenome do marido)". Exemplo: "Señores de Pérez", "Señores de Vázquez". A esposa também pode ser chamada pelo sobrenome do marido: "Señora de Pérez".
    • A palavra "apelido" em português, em espanhol seria "apodo".
    • Os nomes completos geralmente possuem três partes: nome (composto ou não) + sobrenome paterno + sobrenome materno. Ex: Carmen Pérez Vázquez.
    nome = nombre/nombre de pila
    sobrenome paterno = primer apellido
    sobrenome materno = segundo apellido

    Percebemos assim que os sobrenomes estão dispostos da forma inversa à portuguesa/brasileira. Na Espanha vi certa confusão na hora de organizar listas com nomes de pessoas de várias nacionalidades, porque incluem todos os nomes na ordem em que o sobrenome paterno precede o materno, acreditando ocorrer o mesmo com o nome dos portugueses, por exemplo. Assim, em lista de presença de conferências, a pessoa chega para pegar a acreditação e a pesquisa pelo sobrenome paterno nem sempre se torna simples. Pode haver algum problema também na hora de preencher campos obrigatórios em formulários de aplicativos informáticos da Administração Pública que só admitem dois sobrenomes ou não permitem incluir apenas um sobrenome.


    Links:
    Fonte : http://maisespanha.blogspot.com

    sábado, 8 de setembro de 2007

    Aprender Espanhol

    PORQUE ESPANHOL?
    1.- O idioma espanhol é a língua nativa de quase 350 milhões de pessoas. Isso lhe converte no segundo idioma mais importante no mundo.
    2. - Dentro de 50 anos o idioma espanhol será a língua materna da metade dos habitantes dos Estados Unidos.
    3. - O mundo latino se move a grande velocidade. Sua influência na sociedade, na cultura e nos negócios cresce a cada dia. E falar no mundo latino significa falar em espanhol.
    4.- América Latina esta aumentando as suas forças a nível internacional, convertendo-se numa área essencial para os negócios. Um exemplo claro, são os acordos internacionais que ocorreram durante os últimos anos, como Mercosul.Por tudo isso, saber espanhol é poder conhecer um mundo que entusiasma, seja por sua música, seja por seus filmes ou por sua cultura. Através do espanhol descobrirá os contrastes de Espanha, um país tão diverso como rico. Além disso saber espanhol será uma vantagem no seu trabalho, permitindo assim melhorar suas expectativas.
    2-NOS últimos três anos a procura de cursos de espanhol por parte dos portugueses tem vindo a crescer. O Instituto Espanhol de Línguas, em Lisboa, passou de 431 alunos, em 2001, para 1.450, em 2004. Um crescimento que, para Pablo Aznárez, director do instituto, deverá voltar a acontecer em 2005. Este responsável estima que a procura aumente cerca 20% em 2005. Por trás dos números estão, como refere, «motivações culturais, académicas e laborais, esta última com um papel preponderante nas inscrições».
    Também no Instituto Cervantes, os dados são reveladores. Entre 2001 e 2004, o número de alunos cresceu de 1.672 para 2.110 e o número de cursos realizados anualmente passou de 134, em 2001, para 176 no ano passado.
    3-NOS últimos três anos a procura de cursos de espanhol por parte dos portugueses tem vindo a crescer. O Instituto Espanhol de Línguas, em Lisboa, passou de 431 alunos, em 2001, para 1.450, em 2004. Um crescimento que, para Pablo Aznárez, director do instituto, deverá voltar a acontecer em 2005. Este responsável estima que a procura aumente cerca 20% em 2005.
    Por trás dos números estão, como refere, «motivações culturais, académicas e laborais, esta última com um papel preponderante nas inscrições». Também no Instituto Cervantes, os dados são reveladores. Entre 2001 e 2004, o número de alunos cresceu de 1.672 para 2.110 e o número de cursos realizados anualmente passou de 134, em 2001, para 176 no ano passado.Felipe Correia Afonso, advogado de profissão, perante a fusão da sociedade onde trabalha com uma congénere em Madrid não teve outra solução senão frequentar um curso de espanhol, «para facilitar a comunicação com os novos parceiros», esclarece. Na perspectiva do advogado, «a penetração das empresas espanholas no mercado português e a estrutura ibérica de algumas multinacionais obrigaram a repensar a ligação com o que é agora o principal parceiro de negócios4-«A empresa de computadores Dell, tem comerciais portugueses em Espanha a vender para o mercado português», exemplifica Arroja. Helena Gonçalves, da empresa de recursos humanos Select, acredita que «o espanhol é uma língua emergente e um factor de diferenciação positiva no currículo e em termos de progressão na carreira».5-A Compal, e o próprio grupo Nutrinveste (do qual faz parte), são um exemplo desta tendência. «O espanhol já é, a seguir ao inglês, a segunda língua mais utilizada», salienta Brito Ribeiro, director do departamento de Recursos Humanos da Compal. Outra empresa que aposta forte no mercado vizinho é a Renova. De Espanha provêm cerca de 50% da sua facturação e por isso a aprendizagem da língua de Cervantes tornou-se um imperativo.6-Tanto a EDP como a espanhola INDRA pertencem ao grupo das 17 empresas que actualmente realizam acções de formação no Instituto Espanhol.

    Fonte: http://aprenderespanhol.blogspot.com/

    Pontuacao

    Em Espanhol, assim como em outras línguas, os signos de pontuação são utilizados para marcar pausas, espressar a entonação e mesmo direcionar o sentido do que se escreve.

    Os signos de pontuação mais utilizados na língua Espanhola são os que citaremos a seguir:

    (à esquerda, em Veja Também)

    . Punto

    , Coma

    ; Punto y coma

    : Dos Puntos

    ( ) Parentesis

    - Guión

    ' Acento

    " " Comillas

    Raya

    ___ subrayado

    ... Puntos Susp

    " crema

    INTERROGACIÓN ??

    ADMIRACIÓN !!

    Observação: A utilização da interrogação (?) e exclamação (!) em Espanhol não se circunscreve somente aos finais de frase. São utilizados também no início ou no meio, de fonema invertida para marcar a entonação da leitura.

    Exemplo: están ustedes bien ?

    Hola, amigos!

    sexta-feira, 7 de setembro de 2007

    muy/mucho

    O emprego das formas muy/mucho, bastante particulares da língua espanhola, é sempre motivo de confusão para o falante estrangeiro; por isso é importante atentar para a sua regra de uso:

    Se usa a forma mucho antes ou depois do verbo.

    Exemplos:Juan estudia mucho

    Mucho me alegro

    Também usamos o muchoantes dos seguintes adjetivos ( mejor, peor, mayor, menos ) e antes dos advérbios ( más, menos, antes, después )

    Para todos os outros adjetivos e advérbios utilizamos a forma muy:

    Exemplos:muy malo, muy cercano.

    quinta-feira, 6 de setembro de 2007

    Pano de cozinha voador

    Há alguns dias abri a janela da cozinha e o paninho que estava pendurado na parede saiu voando.

    Não pude fazer nada, porque o pano foi sugado janela à fora. Só pude vê-lo cair em câmera lenta num abismo sem fundo. Fiquei pensando na pessoa em cujo pátio ia cair o pano. Se ela ia se sentir incomodada e tal, já que é comum certas coisas caírem de janelas e balcões.

    Aquele pano não tinha nenhum valor, comercial ou sentimental. Era um pano qualquer, usado, barato, descartável, de forma que não tinha sentido sair correndo procurar onde havia ido parar. Mas fiquei com um estranho sentimento de que havia perdido algo e que este algo poderia estar agora mesmo perdido em algum beco escuro, esquecido ou dentro de uma lata de lixo.

    No dia seguinte saí ao "Todo a 100" e comprei um novo pano de cozinha, e que tinha impressa uma receita de empanada galega, um simpático pano para substituir o antigo. O velho pano, assim, ficou definitivamente no passado.

    Imaginem então minha surpresa, quando hoje pela tarde, ao sair, chamei o elevador. Reencontrei meu velho pano, dentro do elevador, dobrado e colocado ali penduradinho na barra do espelho! Um momento estranho-feliz-mudo.

    Não sei quem foi que deixou o pano ali. Simplesmente estou agradecida.
    Fonte : http://maisespanha.blogspot.com

    quarta-feira, 5 de setembro de 2007

    Formacao do Espanhol

    A Península Ibérica sofreu inúmeras invasões; a língua espanhola se formou do amálgama das diversas línguas e dialetos que pôr lá aportaram. A base do espanhol está no dialeto medieval falado em Castilha (sec. XI) procedente do Latim, que pouco a pouco se expandiu pôr toda a península, a que se somaram o ibero, o vasco e o celta. Durante este período de desenvolvimento, o espanhol sofreu também forte influência do grego, da língua germânica e do árabe. A língua espanhola, posteriormente à sua formação, sofreu influências especialmente no que tange a sua riqueza vocabular, do francês, de italiano, do latim clássico e das línguas aborígines americanas. Na atualidade, o espanhol conta com enorme diversidade de pronúncia, conforme a região geográfica a se considerada ( na Espanha) e conforme o país (América Latina de colonização espanhola). O idioma espanhol é falado oficialmente pôr vinte países, na América por aqueles que foram colonizados por espanhóis e na Europa é falado apenas na Espanha.

    Curiosidade:

    Na Espanha convivem pacificamente cinco diferentes idiomas:

    El Catalán (Cataluña)

    El Gallego (Galicia)

    El bable (Asturias)

    El Vasco (País Vasco)

    Quatro estações

    Algumas impressões. Na realidade, falo comigo mesma, comento para mim, relembro coisas. Pouco a pouco acrescento.


    PRIMAVERA

    É a época em que começam a aparecer as primeiras terrazas (aquelas mesas exteriores dos cafés) pelas calçadas, que estavam recolhidas durante o inverno. As árvores que estavam sem folhas e pareciam mortas começam de repente a ficar cheias de vida e de folhas (sim, parece coisa de desenho animado, e sim, você já viu mil vezes essa imagem primaveril, mas é assim mesmo). E claro, não poderia faltar, o canto dos pássaros. Nao me lembro se é nesta época, mas posso ver claramente nuvens de pássaros buscando refúgio nas árvores ao anoitecer.

    Os casacos voltam para o fundo do armário.


    VERÃO

    É a época de férias dos espanhóis. Pode ser que muitas lojas simplesmente fechem durante 15 dias ou mesmo o mês inteiro.

    Nesta época as pessoas costumam fechar as persianas da casa de dia, para que o sol não esquente demais a casa. E de noite, quando está mais fresco, levantam as persianas e abrem as janelas para ventilar. No verão ocorrem incêndios em diversas regiões. Em cidades costeiras, nos dias ensolarados, haverá menos gente nas ruas, porque estarão todos na praia.

    Uma coisa excelente é que anoitece às 22:00. Dá para aproveitar muito bem o dia. É quando se percebe melhor a hora da siesta e sua utilidade. Tente sair a rua às 15:30. Em cidades pequenas, não haverá um ser vivo na rua a essa hora, as lojas estarão fechadas, o sol de derreter te fará procurar um refugio.

    No fim das férias começam os anúncios na tv de fascículos de banca de jornal. Anunciam o início da coleção de vários objetos, livros, cursos, etc. De bonecas de porcelana, casas de boneca, aeromodelismo, dinossauros, ponto cruz, dvds de séries, carros em miniatura e tudo o que você possa imaginar.


    OUTONO

    Típico outono laranja, de clima temperado, com cheiro a folhas de plátano. O Outono é uma boa época para conhecer a Espanha. Já não é uma época tao turística, as praias estarão mais vazias (o que é muito propício para longas caminhadas à beira do mar), e o sol ainda estará presente. Com o clima mais ameno dá para bater perna, entrar em muitas lojas, conhecer becos escondidos.


    INVERNO

    No início do inverno é preciso purgar os radiadores, para que estes possam funcionar de forma eficiente, deixando a casa em uma temperatura agradável. Os radiadores precisam ser purgados porque vai acumulando ar, impedindo a passagem da água quente, que serve para esquentar a casa. Ao alugar uma casa na Espanha, convém verificar se a mesma está equipada com sistema de aquecimento. Pode ser que seja possível sobreviver ao inverno em uma casa sem aquecimento, mas não recomendo, porque faz frio sim. Não subestime o inverno espanhol. Nesta época, a conta da luz sobe de repente, pelos gastos com o aquecimento. A casa aquecida fica com um ar bastante seco.

    Os dias costumam ser escuros, nublados. Saem do armário os casacos mais grossos, roupas sobrepostas.

    Costuma chover muito no inverno em algumas regiões. E por dias seguidos. Também neva em grande parte do país, e principalmente nesta época os carros precisam estar com um jogo de correntes para os pneus guardado no porta-malas, para o caso de que haja neve na estrada. É importante ter cuidado com placas de gelo que se formam nas estradas, que diminuem a aderência dos pneus. Alguns povoados acabam isolados por tempestades de neve.

    Com a neve, tem gente que aproveita para ir às estações de esqui. Ainda não fui a nenhuma estação de esqui na Espanha, mas espero poder visitar algum dia. Muita gente fica na expectativa, esperando que neve o suficiente para poder esquiar.
    Fonte : http://maisespanha.blogspot.com

    terça-feira, 4 de setembro de 2007

    Rima que rima


    ¿de donde sale el pollo? de... Industrias Rebollo
    Fonte : http://maisespanha.blogspot.com

    Construcao de Frases

    As frases em espanhol se constroem segundo um esquema gramatical próprio. Podem ser frases simples, que contém um só verbo ou compostas de dois ou mais verbos .

    No caso das frases compostas, verificamos quatro possibilidades distintas de realização, a saber:

    a) relação sintática entre a 1 e a 2 parte

    b) b) conjunção

    c) c) independentes

    d) d) indicativo/subjuntivo distintos

    Para a construção das frases simples ou da oração principal de uma frase composta assinalamos que a regra geral é de que se estamos afirmando, negando ou perguntando utilizamos o verbo no modo indicativo, para expressar desejo o modo subjuntivo.

    Outra vez, os bancos

    Hoje recebi uma ligação do meu banco. Uma tentativa de me vender um plano que eu pensei que já tinha, visto que anteriormente havia recebido uma carta do diretor do banco me felicitando por ser a mais nova cliente em aderir àquele plano. Coisa estranha.

    Mas enfim, o negócio é que como muitas pessoas, odeio telemarketing e na mesma proporção a forma de atuar dos bancos. Há uma tensão no ar quando a pessoa do outro lado da linha não entende a concisão e profundidade do meu "não". Há tensão quando me fazem propostas indecentes, como dizer que posso me endividar em três vezes o valor do meu salário com toda liberdade do mundo (mas obviamente não me detalham as conseqüências obscuras), que posso enviar dinheiro para o "meu país" com descontos, ou seja, além de me incomodarem me ficam jogando na cara que me encontraram, selecionaram e sabem que sou uma estrangeira em país alheio, apesar de eu pagar as mesmas comissões que os espanhóis e apesar de eu manter meu dinheirinho (cada vez mais inho) em seus preciosos cofres para eles poderem especular e fazer mil firulas.

    Outro dia, recebi uma ligação no meu celular, com uma promoção maravilhosa de canal plus latino, para mim, super latina que sou, estrangeira, brasileira. Ou seja, o banco havia fornecido meus dados a terceiros que agora me ligam para oferecer essa promoção imperdível. Sei que foi o banco porque não há outra entidade que possa relacionar meu nome com meu celular e porque meses antes havia recebido junto com uma mala direta do banco essa maldita promoção do canal plus latino. Fiquei pasma. Eu só queria ser tratada como uma cliente qualquer, que me esqueçam, não tenho grana para enviar a nenhum lugar ou para pagar canal plus latino!

    Mas isso que estou contando não é para dizer que me sinto apontada e excluída. Na realidade é para desabafar e ilustrar o ódio universal que se pode sentir por algumas empresas.

    Aqui na Espanha todo mundo reclama dos abusos e incômodos causados por certas empresas, como ocorre em outros países. Principalmente as de telefonia e as entidades financeiras. Se o fulano tenta encerrar uma conta é uma via-crúcis, se tenta mudar de companhia telefônica é outra coisa impossível e por aí vai. É universal!

    Para compreender melhor meus sentimentos, leia o artigo Entrámpate tío do Sr. Arturo Pérez-Reverte no XL Semanal.
    Fonte : http://maisespanha.blogspot.com